Dakar  2023: Dia Mundial da Paz: Dakar abre o ano com 68 nacionalidades em competição

Dakar 2023: Dia Mundial da Paz: Dakar abre o ano com 68 nacionalidades em competição

 

Com russos driblando regras, Dakar dá a largada no mundo esportivo de 2023. 

No momento em que o mundo assiste perplexo a algumas crises importantes, como o conflito Rússia-Ucrânia, o Rally Dakar volta a unir a comunidade internacional no Dia Mundial da Paz, neste 1º de janeiro, data celebrada desde 1968 como marco de um novo ciclo para o entendimento entre as nações.
E o Dakar, que larga justamente neste domingo para o primeiro dos 15 dias da prova, vai além disso: em uma amostra de força e diversidade, o maior desafio do automobilismo internacional reúne profissionais de 68 nacionalidades espalhados pelas equipes dos 455 veículos inscritos, destacando a presença de 54 mulheres na gigantesca caravana, segundo dados da ASO, organizadora da corrida.
“Este é meu primeiro Dakar e é sensacional ver a diversidade espalhada por todo o acampamento aqui na Arábia Saudita”, disse Lucas Moraes, atual bicampeão do Rally dos Sertões que vai fazer sua estreia na categoria principal, disputada pelos carros. “Isso é uma coisa bem especial no Dakar. O convívio com todos os tipos de pessoas, pilotos, mecânicos, homens e mulheres, de diversas origens e modos de pensar. O bivouac, nosso acampamento, é quase uma ONU do esporte. Por cerca de 20 dias estamos aqui juntos, competindo. Mas há um elo que nos liga, que é participarmos de algo maior, de um desafio incrível com os melhores atletas e profissionais de todo o mundo. Isso é único e contagiante”, completa o piloto.

190 países – A costura internacional promovida pelo Dakar conta com a exibição da prova para o mundo inteiro: 70 canais de TV atingirão 190 países. No Brasil, flashes da corrida e reportagens especiais poderão ser vistos pela ESPN, com o locutor Thiago Alves e o comentarista Edgard Mello Filho, e também nos boletins diários da repórter Letícia Datena nos canais Band e Bandsports. Assinantes do Star+ acompanharão imagens comentadas em inglês e espanhol.
Até pela origem da prova e força do rally naquele país, a França é a nacionalidade dominante, com 194 representantes, entre profissionais de todas as áreas. Os espanhóis vêm a seguir (119), com os holandeses formando o terceiro maior grupo (90 integrantes). O Brasil contará com 11 representantes, entre pilotos e navegadores .

Russos, mas nem tanto – A universalidade da prova e a simbologia de sua data de largada, no entanto, não estão imunes às dificuldades da geopolítica internacional. Como em outros esportes, as equipes russas seriam banidas caso não condenassem a agressão à Ucrânia. A saída para alguns competidores daquele país foi se inscreverem por outras nacionalidades. É o caso de Denis Krotov, que disputará o Dakar como piloto do Quirguistão, e seu companheiro Konstantin Zhiltosv, navegador que se inscreveu sob a bandeira de Israel. Já o navegador Alexey Kuzmich correrá sem indicar nacionalidade, usando apenas o emblema da Federação Internacional do Automóvel (FIA).
Estrela russa e campeão nos quadriciclos em 2017, Sergei Kariakin protestou firmemente contra a imposição e decidiu não competir. Da mesma forma, a Kamaz, fábrica campeã por 19 vezes entre os caminhões, retirou suas equipes do Dakar.

Representante ucraniano – A Federação Internacional de Motociclismo foi menos maleável que sua correspondente dos automóveis, proibindo a participação de qualquer russo. Por isso, não haverá nascidos naquele país na categoria de duas rodas. Apesar de tudo isso, muitos cidadãos circulam pelo Dakar com passaporte emitidos na Rússia. A Ucrânia será representada pelo navegador Dmytro Tsyro, que disputará a categoria Protótipos Leves ao lado da piloto holandesa Anja Van Loon, uma das 54 mulheres que participam de alguma forma da aventura.

Além de Lucas Moraes, o Brasil conta com outros bons destaques . É o caso do piloto maranhense Marcelo Medeiros, da equipe TAG Racing, que é pentacampeão da categoria Quadricilos no Sertões e tenta a vitória nessa categoria no Dakar. Rodrigo Luppi e o experiente navegador Maykel Justo são nomes fortes entre os UTVs de produção. O navegador Gustavo Gugelmin, bicampeão entre os UTVs, tenta agora um bom resultado entre os Protótipos Leves, ao lado do talentoso piloto americano Austin Jones. Na mesma categoria, Pâmela Bozzano será a primeira piloto brasileira na competição, ao lado do navegador Carlos “Cadu” Sachs.

Papa comentou a data – Em uma mensagem distribuída pelo Vaticano na segunda semana de dezembro, o Papa Francisco comentou antecipadamente o Dia Mundial da Paz, mas externou a preocupação internacional com as crises em andamento, incluindo também a retomada da Covid-19.
“Na realidade, esta guerra, juntamente com todos os outros conflitos espalhados pelo globo, representa uma derrota não apenas para as partes diretamente envolvidas mas também para a humanidade inteira”, disse ele, referindo-se ao conflito Rússia-Ucrânia. “E enquanto para a Covid-19 se encontrou uma vacina, para a guerra ainda não se encontraram soluções adequadas. Com certeza, o vírus da guerra é mais difícil de derrotar do que aqueles que atingem o organismo humano”, continuou o sumo pontífice.

Diversidade em Números
O Dakar e suas nacionalidades na Arábia Saudita
Nações representadas: 68
Maior grupo: franceses, 194 profissionais
Estreantes: 150 profissionais
Mulheres: 54 profissionais
Brasileiros: 11 (pilotos e navegadores)

Veículos e Categorias
Carros: 73 (1)*
Motos: 125
Quadriciclos: 19 (1)
Protótipos Leves: 47 (5)
UTVs: 46 (4)
Caminhões: 56
Clássicos: 89
Total: 455 veículos
*Nota: entre parêntesis, competidores brasileiros naquela categoria.

45ª Edição do Rally Dakar
8.549km de percurso total. Especiais somam 4.706km
(Data / locais / total do dia / especial)
Prólogo: 31/12 – Sea Camp – 10 km / 10 km
01/01 – Sea Camp –> Sea Camp – 603 km / 368 km
02/01 – Sea Camp –> Al-'Ula – 590 km / 431 km
03/01 – Al-'Ula –> Ha'il – 669 km / 447 km
04/01 – Ha'il –> Ha'il – 573 km / 425 km
05/01 – Ha'il –> Ha'il – 646 km / 375 km
06/01 – Ha'il –> Ad Dawadimi – 876.68 km / 466 km
07/01 – Ad Dawadimi –> Ad Dawadimi – 641.47 km / 473 km
08/01 – Ad Dawadimi –> Riyadh – 722.41 km / 407 km
09/01 – Descanso – Riyadh
10/01 – Riyadh –> Haradh – 710 km / 439 km
11/01 – Haradh –> Shaybah – 623 km / 114 km
12/01 – Shaybah –> Empty Quarter – 426 km / 275 km
13/01 – Empty Quarter –> Shaybah – 375 km / 185 km
14/01 – Shaybah –> Al Hofuf – 669 km / 154 km
15/01 – Al Hofuf –> Dammam – 414 km / 136 km

 

 

Comunicado Oficial

 

Related Articles

We use cookies

We use cookies on our website. Some of them are essential for the operation of the site, while others help us to improve this site and the user experience (tracking cookies). You can decide for yourself whether you want to allow cookies or not. Please note that if you reject them, you may not be able to use all the functionalities of the site.